Crítica

Atlântico

Imaxe de Filipe Ferreira

Viagens transoceânicas

O Atlântico é o oceano que separa o continente europeu do americano. É o oceano das grandes viagens dos séculos XV e XVI que trouxeram aos países europeus riquezas, lendas e gestas que ainda hoje são comemoradas, rememoradas e até replicadas em diversas iniciativas. O Atlântico é também um enorme cemitério e a testemunha silenciosa de crimes nauseabundos. Todas estas contradições e ainda outras estão presentes na travessia que é o espetáculo homónimo do Tiago Cadete, apresentado na Sala Estúdio do Teatro Nacional D. Maria II entre 3 e 11 de dezembro de 2020. Através deste monólogo, o ator e criador constrói paralelismos entre a viagem que ele realizou num cruzeiro em 2019 e a histórica viagem de Pedro Álvares Cabral até terras desconhecidas, hoje o Brasil.

O palco da Sala Estúdio do Teatro Nacional D. Maria II está quase vazio. Ao fundo do palco há um enorme ecrã e ao pé da boca de cena uma cadeira e uma estante. O performer, vestido completamente de branco, está já sentado, de costas para o público, quando este entra. O branco é, de facto, a cor que inunda o espetáculo. Em off uma voz dá as boas vindas ao cruzeiro e explica algumas regras básicas da viagem, como por exemplo, o sentido dos sinais sonoros dos barcos durante a travessia.

Durante quase uma hora Tiago Cadete partilha com o espetador esta viagem transoceânica no século XXI. A nau, neste espetáculo, não é nenhum dos 13 navios que formavam a expedição de Álvares Cabral, que saiu de Lisboa em março de 1500 com um milhar de homens a bordo, embora esteja sempre presente ao longo do espetáculo. A viagem do Tiago é aquela que é feita por uma classe média no século XXI, num cruzeiro com destino bem definido desta vez, o Brasil. Uma espécie de cidade flutuante com o objetivo de divertir e entreter os milhares de pessoas que viajam, e que, como ele, saíram da Europa em dezembro, para desfrutar do verão na América do Sul.

Com recurso a fotografias da viagem no cruzeiro, o ator, sozinho em palco e a maior parte do tempo de costas para a audiência, procura estabelecer uma relação de intimidade e partilha de experiências e de ideais com o público. De forma humorística e com uma forte dose de ironia, analisa os jogos, comportamentos e costumes do cruzeiro, de que ele fez parte. A narrativa desta viagem do século XXI é produzida estabelecendo paralelismos com as viagens coloniais, desconstruindo o discurso amplamente aceite sobre heroicidades e riquezas destas expedições, que sempre foram descritas desde a perspetiva do homem branco colonizador. O espetáculo discute este olhar e tenta das pistas sobre o outro lado desta história, o dos conquistados/colonizados, o dos massacres, da imposição da religião, do saque da América pelos nossos antepassados. São episódios da história que foram apagados ou ignorados porque são desconfortáveis para nós, europeus brancos.

O interessante neste espetáculo é que o Tiago Cadete assume o seu lugar de branco europeu e é desde esse olhar que analisa e questiona o discurso tantas vezes repetido e edulcorado, das gestas portuguesas e as benesses civilizadoras que foram levadas para os povos indígenas. Esta é uma perspetiva que partilha com o público na sala, na sua maioria branco e português, que se vê confrontado com a manipulação dos factos para a criação de um discurso que, por repetido e aceite pela maioria, nunca questionaram. O espetáculo vai desmontando o discurso do bom e amável conquistador. Para isso utiliza recursos populares como fazer um karaoke com uma famosa música do grupo Da Vinci O conquistador (1989) substituindo a palavra “conquistador” por “colonizador”.

(…)

Foram mil epopeias

Vidas tão cheias

Foram oceanos de amor

Já fui ao Brasil

Praia e Bissau

Angola Moçambique

Goa e Macau

Ai, fui até Timor

Já fui o conquistador

(…)

Foram mil epopeias

Vidas tão cheias

Foram oceanos de amor

Já fui ao Brasil

Praia e Bissau

Angola Moçambique

Goa e Macau

Ai, fui até Timor

Já fui o colonizador

Atlântico traz ao palco uma discussão necessária e urgente sobre o colonialismo e a criação de imaginários histórico sque devem ser desconstruídos e permitir assim um olhar mais realista e desassombrado sobre os factos históricos.

Ficha artística

Atlântico, Tiago Cadete

Criação, interpretação e vídeo: Tiago Cadete
Música: Bruno Pernadas
Luz: Rui Monteiro
Figurino: Carlota Lagido
Apoio à dramaturgia: Bernardo de Almeida
Voz off: Leonor Cabral
Direção técnica: Nuno Patinho
Assessoria de imprensa: Mafalda Simões
Produção executiva: Ana Lobato
Produção: Co-pacabana
Coprodução: Teatro Nacional D. Maria II; Teatro Municipal de Faro; Festival Citemor
Parceria: Antena 3
Duração: 55 min
M/12

Sala Estúdio do TNDMII, Lisboa. 11 dezembro de 2020.

 

Compartir

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

Deixar un comentario

Subscríbete

Recibe as novas, artigos, entrevistas e contidos da Erregueté para que non perdas unha!

erregueté en papelSúmate ao movemento #erreguelove!

Por só 20 euros ao ano recibirás dúas revistas coa edición de textos dramáticos