in

FITEI 46: O Festival Internacional de Teatro de Expressão Ibérica está de regresso de 10 a 21 de maio

O festival tem como palco a cidade do Porto, mas também em Matosinhos, Vila Nova de Gaia e Viana do Castelo, num total de 11 salas

Piloto. Plataforma UMA. FITEI 46
Piloto. Plataforma UMA. FITEI 46

“Trauma e Bravura” é o tema que molda a programação da 46ª edição do FITEI

O festival tem como palco a cidade do Porto, mas também em Matosinhos, Vila Nova de Gaia e Viana do Castelo, num total de 11 salas

Serão apresentados 14 espetáculos, dos quais 7 são coproduções FITEI, com 4 estreias nacionais e 3 absolutas.

Publicidade

SELEÇÃO FITEI 46

Movido pelo binómio Trauma e Bravura, o FITEI 46 busca investigar como o teatro é capaz de evocar conceitos como violência, memória e política, tão intrínsecos às comunidades afro-ibero-americanas. É do contacto com os artistas e as suas obras que emergem as urgências dos nossos tempos, reveladas sobre os palcos através da arte.

Publicidade

“Os ataques à democracia em diferentes partes do mundo — em particular nos países da América do Sul — o recente passado colonial em África ou ainda a guerra que atravessamos em território próximo do nosso, são algumas das questões que impulsionam os nossos artistas convidados a darem visibilidade, forma e significado a estas recorrentes experiências demarcadas pela violência. Como podemos então reestabelecer a bravura para confrontarmos todos estes traumas?” explica Gonçalo Amorim, a propósito da visão temática desta edição.

O festival arranca a 10 de maio com o espetáculo #5 Bochizami, no Subpalco do Rivoli. Uma nova criação da artista Flávia Gusmão em coprodução com o FITEI, #5 Bochizami é um travelling sobre a paragem do tempo que é o luto. É um travelling pelas memórias individuais e coletivas, reais ou ficcionadas. É, também, o capítulo final de NA LUT@, projeto colaborativo de longa duração dedicado à produtora e ativista cultural Samira Pereira (1976-2021).

Em Cosmos, o percurso é outro. A obra de Cleo Diára, Isabél Zuaa e Nádia Yracema propõe uma viagem interplanetária, onde se questiona a humanidade e o caminho percorrido até aos dias de hoje. Uma jornada de dez intérpretes em busca de novas possibilidades de futuro, é através do resgate da mitologia africana e da revisão de eventos históricos do passado que Cosmos se projeta num horizonte afrofuturista, enquanto questiona se somos apenas frutos das histórias que nos contam. Estará em palco no Teatro Carlos Alberto.

De regresso ao FITEI após a passagem na edição de 2018, os catalães Agrupación Señor Serrano trazem até ao Campo Alegre uma sessão dupla de Una Isla, também coprodução FITEI, um projeto que reflete sobre a “bolha de ódio” construída através das redes virtuais, com o selo dramatúrgico e dispositivos cénicos que caracterizam a obra da companhia: tecnologia em palco, uso de vídeo em tempo real, manipulação de objetos e câmeras de vídeo, projeções e dispositivos de visualização através de uma dramaturgia multifacetada.

A interpretação de Hamlet de Chela de Ferrari leva um grupo de pessoas com síndrome de Down ao palco do Teatro Nacional São João. A peça da companhia peruana, uma estreia nacional, é construída entre o texto de Shakespeare e a vida dos atores, e tem como ponto de partida a pergunta que ele nos faz sobre a existência. Ser ou não ser? O que significa ser para as pessoas que não conseguem encontrar espaços onde não são consideradas? Historicamente, as pessoas com Síndrome de Down têm sido consideradas um fardo, um desperdício social. Que valor e significado têm hoje num mundo onde a eficiência, a capacidade de produção e modelos inatingíveis de consumo e beleza são o paradigma do ser humano?

“Ninguém viu, ninguém sabe, ninguém se lembra. A pedra partiu,” é o ponto de partida que nos dá Cristina Planas Leitão para O Sistema. O Sistema é a urgência em virar do avesso. É sobre um antes e um depois e é sobretudo uma reflexão que parte de um sistema que não nos serve. Esta peça explora a solidariedade gerada a partir do trabalho coletivo e aborda a própria noção de labor, de labuta como gerador da ação, do movimento. Chega à Central Elétrica em sessão dupla.

Já em Moria, com apresentação no Teatro Carlos Alberto, o espanhol Mario Vega propõe-nos uma experiência imersiva de teatro documental ao recontar a história de duas refugiadas e suas famílias que são forçadas a fugir do seu país. O trabalho teatral baseia-se em testemunhos reais filmados no campo de refugiados de Moria sob a supervisão de Nicolás Castellano, um repórter que passou os últimos 20 anos a fazer reportagens sobre movimentos migratórios forçados e direitos humanos. O espetáculo tem estreia nacional no Porto e estende-se até à cidade de Viana do Castelo, ao Teatro Sá de Miranda.

Publicidade

Ao Rivoli chega Subterrâneo, Um Musical Obscuro, uma colaboração entre os portugueses Má-Criação e os brasileiros Foguetes Maravilha e Dimenti. O ponto de partida foram as notícias sobre os 33 homens presos num desabamento na Mina San José, no Chile, em 2010, gerando um espetáculo sensorial onde a ausência de luz ganha novos contornos e significados.

Victor de Oliveira, artista da diáspora luso-moçambicana, há demasiado tempo paralizado no limbo em que a História o colocou, apresenta Limbo, um mosaico narrativo que, entre outros elementos, percorre a história íntima de um homem mestiço nascido em Moçambique. Entre a autoficção e a ficção social, questiona as razões do negacionismo histórico, as disputas da memória coletiva, as experiências de crescer na indefinição. O espetáculo é apresentado no Auditório de Gaia.

A co-encenação de Joana Magalhães, Mafalda Lencastre e Maria Inês Marques é acolhida pelo Campo Alegre em estreia absoluta. Em Piloto (coprodução FITEI), um grupo multidisciplinar de criativos (curadores, arquitetos, programadores, marketeers, entre outros) reúne-se para projetar um parque de diversões temático que permite experienciar a adrenalina do início de forma controlada, um simulacro do que poderia ser na vida real, caso tudo corresse bem. Nesta reunião, desenha-se o parque, testam-se hipóteses e fazem-se roleplays de possíveis inícios, em contexto imersivo. Define-se o que será este parque temático que deverá ser capaz de garantir que os desejos iniciáticos mais profundos dos visitantes possam vir a ser concretizados, ainda que por breves momentos.

A companhia Visões Úteis traz-nos mais do que um mergulho nos arquivos infindáveis do FITEI com Ibérica Sector 5, mais uma coprodução. Propõe-se a (re)criar obras a partir do conceito de “reenactment” (recriação de momentos históricos emblemáticos). A primeira edição do Reenact Now, nome dado a este ciclo, é o espetáculo Ibéria Setor 5e parte da obra com o mesmo nome, da Companhia Bonifrates, estreado em 1981. A estreia deste espetáculo acontece no Teatro Municipal de Matosinhos – Constantino Nery.

Em Se Eu Fosse Nina, Rita Calçada Bastos pretende estabelecer um diálogo de suposições e conjecturas entre uma Nina roubada à Gaivota, de A. Tchekov e o imaginário da própria actriz. Este espetáculo propõe reflectir, através de um exercício a solo, o limite entre a ficção teatral e a realidade, o universo de escolhas e a sua consequência prática e as próprias camadas de representação: a personagem que está presa no teatro e uma actriz que a quer salvar. Esta obra será apresentada no Pequeno Auditório do Rivoli, antecipada pelo lançamento do livrohomónimo durante a tarde.

Criado enquanto “provocação cénica que reúne artistas, pensadores e curadores para refletir sobre a violência e a justiça na América Latina”, o Teatro Bombón Gesell (coprodução FITEI) continua o trabalho de criação dos dispositivos Gesell, que se materializa na apresentação de espetáculos curtos seguidos de uma mesa redonda. Terão lugar na mala voadora, que receberá a companhia argentina alguns dias antes para uma residência artística.

Serão apresentadas, ainda, as obras das companhias que estiveram em residência na edição 2022, como os projetos da Grua Crua, Que Não se Fale dos Velhos Tempos e de Nuno Nunes, Condomínio, ambas coproduções FITEI.

Em Condomínio, o encenador traz-nos um espetáculo criado com uma comunidade de moradores do Porto, onde coabitam temas sobre cidadania e o sentido de pertença aos lugares, sobre a capacidade de agir conscientemente e sobre o conflito endémico entre interesses individuais e colectivos. Tudo isto no cenário previsível: numa reunião de condomínio, a ter lugar no Teatro Municipal de Matosinhos – Constantino Nery.

A peça Que Não Se Fale dos Velhos Tempos, exibida na Sala de Bolso, retrata a estória de um casal “beckettiano”, permanentemente perdido. Joga, nos rituais domésticos, uma vida gasta e encravada, onde a palavra se solta como conforto e confronto, misturando tempos, o do presente, onde o nexo se perde a cada gesto, e o do passado, onde, talvez, houvesse matéria para mais do que isto, o quase nada que agora partilham. Olham-se e não se vêem, falam e não se escutam. Sobra-lhes a monotonia e o tempo infinito do fim da vida.

O FITEI e as Escolas do Porto

Dada a importância das escolas de teatro do Porto na formação das gerações futuras de atores, encenadores e profissionais do teatro, é imprescindível que continuem a ter expressão no FITEI. Na 46ª edição, são três as escolas de teatro do Porto que apresentam projetos: a ESMAE, a ESAP e o balleteatro.

FITEI 46
FITEI 46

RESIDÊNCIAS ARTÍSTICAS FITEI

Em 2023, o FITEI acolhe as residências artísticas de Marina Otero, que se encontra no processo de criação da nova obra Kill Me. Está prevista, ainda, a co-produção FITEI com a Hotel Europa para o novo espectáculo Luta Armada, a estrear em 2024.

Uns dias antes da apresentação do ciclo de leituras encenadas, a companhia Teatro Bómbon Gesell ocupa a mala voadora enquanto prepara o ciclo de leituras encenadas. Tendo marcado presença no FITEI 2022, a companhia prolonga a criação dos dispositivos Gesell, onde serão apresentadas as peças criadas neste contexto, e tem estreia europeia no FITEI, com elenco e equipa criativa portuguesa.

O mesmo acontece com a Agrupación Señor Serrano, mas no Teatro do Campo Alegre. Una Isla reflete sobre a “bolha de ódio” construída através das redes virtuais, com o selo dramatúrgico e dispositivos cénicos que caracterizam a companhia catalã: tecnologia em palco, uso de vídeo em tempo real, manipulação de objetos e câmeras de vídeo, projeções e dispositivos de visualização através de uma dramaturgia multifacetada.

ISTO NÃO É UMA ESCOLA FITEI e FITEI PRO

Nos últimos anos, tem sido marca do FITEI promover a secção Isto não é uma Escola FITEI, que engloba um conjunto de acções de formação — encontros, masterclasses, workshops — e reflexão crítica, aberta à comunidade e paralela aos espetáculos. Nela, os artistas que passam pela cidade do Porto partilham com o público interessado procedimentos criativos dos seus trabalhos, retomando os seus percursos num terreno que se deseja horizontal e democrático.

Este conjunto de actividades formativas, que têm acesso gratuito mas que requerem inscrição prévia, reunirá em 2023 importantes criadores com reconhecidas trajectórias internacionais. São eles os catalães Agrupación Señor Serrano; Alex Casal e Felipe Rocha, responsáveis pela conceção do espetáculo Subterrâneo, Um Musical ObscuroNuno Nunes; Vitor de Oliveira e ainda Pablo de la Fuente.

FITEI PRO

O FITEI dará continuidade aos seus esforços na internacionalização de artistas e espetáculos nacionais com mais uma semana de programadores, que este ano passa a ser denominada de FITEI PRO. Esta é uma ação focada no desenvolvimento e apropriação de mecanismos que permitam projetar externamente os artistas consagrados e emergentes português.

O FITEI PRO conta com um conjunto de atividades específicas para programadores internacionais (não abertas ao público) como encontros entre programadores e artistas, mesas redondas, showcases, etc. Durante 5 dias, mais de 20 instituições e programadores de todo o Mundo estarão presentes no festival.

A informação sobre o FITEI 46 está disponível em fitei.com.

Publicidade
Publicidade
Redacción

Redacción

Somos a erregueté | Revista Galega de Teatro.
A única publicación periódica que ten como obxecto as artes escénicas galegas dende 1983.

Deixa unha resposta

Avatar

O teu enderezo electrónico non se publicará Os campos obrigatorios están marcados con *

GIPHY App Key not set. Please check settings

    Matarile Fráxil ManuelGVicente

    O Salón Teatro acolle dez novas funcións de ‘Fráxil. Handle with Care’

    Brokeback Sabucedo

    Sal do Teatro estrea ‘Brokeback Sabucedo’